03.07.2017

Mercado Digital

Airbnb tem crescimento impressionante

Airbnb

Considerada uma das melhores empresas para se trabalhar no mundo, o Airbnb não para de crescer. Fundada em 2008 no Vale do Silício, a startup ganhou popularidade rapidamente entre os viajantes mundo afora. A empresa de capital fechado, avaliada em cerca de US$ 31 bilhões, tem mais de 3 milhões de anúncios de aluguel de casas e apartamentos e está se expandindo para novas categorias de produtos, incluindo a de “experiências” de viagem.

A fatia de brasileiros hoje representa 53% na plataforma digital. O país tem 89.700 anfitriões (52% são mulheres e 48% homens), 103% a mais que no ano passado. A idade média dos anfitriões é de 42 anos. Já os visitantes são mais jovens: a idade média é de 34 anos. Estes anfitriões recebem hóspedes numa média de 17 noites por ano e têm ganho anual médio de R$5.500 reais.

Os turistas locais são os que mais agitam a plataforma: 80% dos visitantes do Brasil são brasileiros ou vindos da América Latina, enquanto 12% são da Europa, 7% vem da América do Norte, 1% da Ásia e 1% da Austrália. Cerca de 70% dos anúncios são de casas ou apartamentos inteiros, enquanto 27% são espaços privados e 3% quarto dividido.

Em 2016, o número de hospedagens no país cadastradas na rede mais do que dobrou, assim como o número de anfitriões. A plataforma encerrou 2016 com 98% de crescimento, atingindo 123 mil imóveis listados. Já em relação a reservas, a alta foi de 140% no último ano no Brasil, chegando a mais de um milhão de hospedagens. Segundo a empresa, a escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos contribuiu muito para a expansão no uso da plataforma e colocou a cidade como a quarta maior em número de anúncios do Airbnb no mundo.

O setor hoteleiro tem ficado incomodado com o crescimento da empresa, já que o Airbnb conta com aproximadamente de 2 milhões de anúncios em mais de 190 países. A falta de leitos em cidades turísticas e a atmosfera mais intimista que as hospedagens compartilhadas oferecem colaboraram para o sucesso da empresa. Muitos hotéis, inclusive, já perceberam a demanda crescente por uma experiência diferenciada e têm investido em mudanças na decoração, infraestrutura e hospitalidade.

De olho em um nicho bastante rentável, o de viagens de negócios, a proposta é aproveitar o aumento da adesão de pessoas que se encaixam nessa categoria. Segundo pesquisa da empresa Phocuswright, 31% dos viajantes que utilizaram os serviços do Airbnb estavam viajando a negócios. No mercado brasileiro, mais de 12% dos usuários utilizam a plataforma para viagens profissionais.

A empolgação com o serviço também tem gerado disputas judiciais em diferentes cidades do mundo. Todavia, não é suficiente para conter o crescimento do negócio muito menos diminuir as expectativas de investimentos e de uma possível abertura de capital (IPO) da empresa. Apesar das rixas com governos e grandes grupos de hotelaria, o Airbnb continua crescendo de forma contundente e atraindo cada vez mais investimentos. De acordo com o Wall Street Journal, a empresa espera faturar U$10 bilhões em 2020.

Relacionados